Voltar Contatos Mapa
www.studiomel.com
› A Qualidade da Voz
› A Altura
› A Intensidade
› O Timbre
› A Homogenidade
› A Afinação
› O Vibrato
› O Alcance da Voz
› A Classificação Vocal
› A Função Vocal
› O Gesto Vocal
› A Técnica Vocal
› Vocalizes
› Erros Técnicos
Percepção Musical
› O Som e a Audição
Preservação da Voz
A Voz Rouca
› Cantoterapia

Studio Mel
Cursos e preços
Nossa localização

Atendimento:
de segunda à domingo
das 10:00 às 22:00 hs.
subscreva
_Ou_Mande um email__
 
 

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

A TÉCNICA DA VOZ CANTADA

Páginas
16
17
18
 

VOLTAR AO PROGRAMA
COMPLETO DE TÉCNICA VOCAL

Nosso Email studiomel@studiomel.com


A Função Vocal _
------------------   ____
página_ 17

Veja os links
abaixo

______O Aparelho Respiratório _____O aparelho respiratório compreende o tórax no interior do qual se encontram os púlmões. O tórax e composto de doze pares de costelas. fixas atrás na coluna vertebral, que formam uma curva côncava para dentro e inclinada para baixo. Por intermédio das cartilagens costais. elas se inserem no osso esterno. na frente. com exceção das duas últimas costelas. as flutuantes. que permitem uma maior mobilidade da parte. inferior do tórax no sentido antero-posterior e lateral
.As costelas estão ligadas umas as outras por músculos inspiradores e expiradores. Um conjunto muscular muito poderoso recobre a caixa torácica e permite os movimentos necessários a entrada e saída do ar pulmonar .

VISTA DOS DOZE PARES DE COSTELAS DO TÓRAX

 

 
ESCÁPULA
ESTERNO
1 - ACRÔMIO 11 - INCISURA  JUGULAR
2- PROCESSO   CORACÓIDE 12 - MANÚMBRIO
3 - CAVIDADE   GLENÓIDE  
4 - COLO  DA  ESCÁPULA  
5 - INCISURA  DA  ESCÁPULA  
6 - FOSSA SUBESCAPULAR  
 
 
 

VÍDEO SOBRE O APARELHO RESPIRATÓRIO


continuando ....O APARELHO RESPIRATÓRIO




Inspira, expira. Inspira, expira. Entra o ar, sai o ar.
É assim o tempo todo! Você pode estar na escola, correndo, comendo, vendo tevê, dormindo não importa.
Lá está você: inspirando, expirando, puxando ar, mandando ar embora.

._ Mas por quê a gente respira? Porque somos formados por células, milhões de células, e cada uma precisa de um pouco de ar. Tem que ter ar para todas! E quando a gente faz um exercício físico, como dançar ou jogar futebol, as células precisam de mais ar. Por isso a gente respira mais depressa e o nosso coração bate mais forte. Mais ar! Mais ar!

A respiração é a função mediante a qual as células vivas do corpo tomam oxigênio (O2) e eliminam o bióxido de carbono (CO2).
É um intercâmbio gasoso (O2 e CO2) entre o ar da atmosfera e o organismo.
O sangue circula dentro de diminutos vasos adjacentes a cada célula corporal e são os glóbulos vermelhos do sangue que levam oxigênio aos tecidos e extraem bióxido de carbono.
Nos pulmões, os glóbulos vermelhos descarregam seu bióxido de carbono no ar e dele tomam sua nova carga de oxigênio. O processo se chama hematose.
O sistema respiratório está formado por:
Vias respiratórias: cavidades nasais, nasofaringe, traquéia, árvore bronquial; que conduzem, aquecem, umedecem e filtram o ar inalado de partículas de pó e gases irritantes, antes de sua chegada à parte pulmonar. Parte respiratória dos pulmões, formada pelos pulmões com os bronquíolos respiratórios, os alvéolos pulmonares e o tecido elástico.
Todas as vias respiratórias, das narinas até os bronquíolos terminais, se mantêm úmidas pela presença de uma capa de células (epitélio) que produz uma substância chamada muco. O muco umedece o ar e impede que as delicadas paredes alveolares se sequem, ao mesmo tempo que apanha as partículas de pó e substâncias estranhas. Também há células ciliadas. Os cílios são espécies de pelos na superfície da célula que têm um movimento ondulatório. Esses movimentos fazem com que o muco flua lentamente até a laringe. Depois o muco e as partículas que leva presas são deglutidas ou expelidas pela tosse.
a tosse.

Sistema respiratório

A respiração é uma das funções essenciais do organismo. Consiste em fornecer oxigênio ao sangue, oxigênio esse que será levado a todas as células. Sem oxigênio, os tecidos, e, portanto, o organismo inteiro, não poderiam viver. O oxigênio está contido no ar e o ar entra em contato com o sangue, mediante um aparelho chamado "respiratório". Permite ele as trocas entre o sangue e o ar: o ar cede ao sangue o oxigênio; o sangue, por sua vez, por meio dos pulmões, abandona o anidrido carbônico que é um produto de rejeição da respiração das células. A respiração se exerce por meio de uma série de atos tais que permitem a passagem do ar através das vias respiratórias.
Começando pelo nariz, que é onde a gente pega o ar. Dentro do nariz, há um monte de pêlos. Eles servem como um filtro, já que o ar pode estar sujo.
E, contra a sujeira, espirro nela! Sim, é um dos motivos por que a gente espirra.
Para expulsar impurezas que vêm junto com o ar inspirado. Imagine – argh – que um mosquito entra no seu nariz. Ele vai ficar preso nos pêlos, aí seu corpo vai expulsar um monte de ar, fazendo uma ventania. É o espirro! O mosquito vai sair a mais de 160 quilômetros por hora! E já vai tarde.
O ar pode entrar pela boca também, mas nesse caso não é filtrado. É por isso que dizem: em boca fechada não entra mosquito. Para o ar, a boca deve ser como uma rua de mão única: só saída.
Do nariz ou da boca, o ar passa por um grande túnel, cheio de estações, como a linha do metrô. No começo do túnel há um portão, a glote. Ela só deixa entrar o ar, impedindo que alimentos passem.
A primeira estação é a laringe, muito importante para a voz. Por isso que a gente fica rouco quando tem laringite: é quando a laringe está doente.
Em seguida, vêm as cordas vocais. São elas que regulam o ar, quando a gente fala grosso ou fino.
Logo embaixo vem a traquéia. É a última estação antes de chegar aos pulmões – ou a primeira quando o ar está saindo. Como o nariz, a traquéia tem um filtro de pêlos, que não deixa que nenhuma partícula passe para os pulmões: próxima parada...
No começo dos pulmões estão os brônquios. A gente só lembra deles se tem bronquite, mas são muito importantes. Os brônquios formam uma rede através do pulmão, levando o ar por caminhos cada vez mais estreitos até os alvéolos. A bronquite faz esses caminhos ficarem muito mais estreitos, causando falta de ar.
Alvéolos pulmonares, a estação terminal do sistema respiratório. Aqui o ar é passado ao sangue e começa outra viagem. Para a gente, o principal componente do ar é o oxigênio. Então o sangue vai pegar o oxigênio com seus glóbulos vermelhos e levá-lo até as mais remotas células. Pensa que demora? Que nada, isso acontece muitas vezes por minuto.
É nos alvéolos também que chega o sangue sujo, com o ar usado. Lembra que o coração manda o sangue sujão para o pulmão? Quando você respira, as células transformam o oxigênio em gás carbônico. Os alvéolos pegam esse ar usado e mandam embora, pelo mesmo caminho por onde entrou: brônquios, traquéia, cordas vocais, laringe, nariz ou boca.
Então quer dizer que, quando a gente fala, nossas palavras estão cheias de significado e... gás carbônico!? Pois é.
A peça central do movimento da respiração é o diafragma. Ele fica logo abaixo da caixa torácica. Para o ar entrar, ele abaixa e empurra o estômago. Para expulsar o ar, ele dá um empurrão para cima. Portanto, quando você fala, é o diafragma que está mandando o ar para cima.

Soluços - Quem não tem?

É raro encontrar alguém que não teve durante a vida uma crise de soluço. E existem outras pessoas que apresentam crises periódicas, quase mensais, tomando sua vida um inferno.

O soluço decorre da contração involuntária e repetida do músculo diafragma, que separa o tórax do abdômen. O diafragma é o elemento mais importante da respiração, sendo inervado pelo frênico, que sai da medula na altura da coluna cervical. O ruído característico do soluço decorre do fechamento súbito da glote, com vibrações das cordas vocais.

Portanto, o soluço é provocado pela irritação do diafragma. Assim, qualquer situação que imite o nervo frênico ou diretamente o músculo, acontece o soluço. As crises agudas de soluço são leves e passageiras, tornando impossível descobrir a causa, porém regridem espontaneamente. Entre as causas agudas de soluço, podemos mencionar a ingestão excessiva de bebidas alcoólicas, bebidas quentes ou irritativas (café, etc.), alimentação excessiva ou agressiva (condimentos em geral), aerofagia (ingestão de ar), enfim, tudo que pode ocasionar irritação do esôfago, estômago e do nervo frênico.

As pessoas excessivamente ansiosas (neuroses em geral), com maus hábitos alimentares (comer rápido, não mastigar bem, etc.), portadores de doenças intestinais etc., geralmente engolem ar numa quantidade exagerada, causando a síndrome da bolha gástrica. A distensão aguda do estômago determina então, dores intensas e soluços. Cerca de 20 a 60% do gás no tubo digestivo provém do ar deglutido, todavia a ingestão excessiva determina a aerofagia.

Com a finalidade de aliviar a sensação prolongada de distensão, o indivíduo tenta expulsar o ar pelo arroto ou eructação, piorando ainda mais a situação. Com efeito, em decorrência do arroto, o indivíduo engole mais ar num círculo vicioso interminável. O mesmo acontece com os lactentes, que ao mamarem engolem ar, provocando uma dilatação do estômago, que pode terminar em soluço. Por isso, os pediatras recomendam a posição vertical dos bebês após a mamada, que facilita a eliminação do ar pelo arroto, eliminando a causa do soluço. Se o lactente permanecer deitado no berço o soluço persiste, provocando o vômito.

Os soluços crônicos e prolongados são indicadores de doenças graves, como as neurites do nervo frênico (herpes zoster. difteria, hanseníase, sífilis, etc.), doenças pulmonares (pneumonias, neoplasia, abscessos, água na pleura, etc.), enfermidades do esôfago (megas, tumores, regurgitação, etc.), do estômago (câncer, úlceras, gastrites, etc.), do intestino (úlceras, tumores, etc.), do fígado (cirrose, hepatites, tumores, etc.), do pâncreas (pancreatites, etc.) e até do aparelho urinário (pedras, neoplasias, etc) e do cérebro (tumores).

Os indivíduos terminais, com distúrbios metabólicos importantes (uremia, amoniemia, etc.) ou com distúrbios respiratórios (acidose, alcalose, etc.), também apresentam soluços intermináveis e de tratamento problemático. O soluço aparece mais no sexo masculino do que no feminino, sem se saber por quê. Em geral, regride de maneira espontânea, sem causar qualquer tipo de prejuízo. Entre as soluções caseiras para os soluços esporádicos, citam-se interromper a respiração por alguns segundos ou respirar dentro de um saco de papel (nunca de plástico), pois o acúmulo de gás carbônico no sangue inibe a contração do diafragma, parando o soluço. Ainda beber água gelada rapidamente e engolir pão seco ou gelo triturado.

O susto não exerce qualquer efeito na mecânica do soluço. Se for criança provoca angústia e medo, sem resolver o problema. O tratamento do soluço crônico necessitada descoberta e solução da causa básica ou doença primária. Pode-se usar remédios, como o amplictil, até o bloqueio anestésico dos nervos que controlam o diafragma, provocando a sua paralisação. Portanto, o fundamental no soluço é descobrir a causa que irrita o músculo diafragma, através de exames de laboratório, sob a orientação médica

Às vezes a gente está comendo e engole ar junto. Então a glote fica confusa, não sabe se abre, se fecha... E o diafragma entra em ação, empurrando ar para cima para expulsar algum alimento que possa ter entrado.
Aí, para o soluço ir embora, cada um tem uma receita: beber água pulando num pé só, pre
nder a respiração e contar até 83, pular corda enquanto assovia o hino nacional e outras loucuras.

___

 

próxima


STUDIO MEL

Aulas de CANTO com gravação de CD GRÁTIS.
Rua Valparaíso, 83 / 302 - Bairro - Tijuca.
TELEFONES : (021) 3283-3000 cel (021) 98344-4808

Maestro Ernesto Leal OMB 33.997
Diretor do Studio Mel



Receba playbacks midis kar e mp3 para cantar